A chuva que fustigou o Algarve provocou inundações em estradas, garagens e alguns estabelecimentos comerciais nos concelhos de Loulé, Albufeira e Portimão, disse à Lusa fonte dos bombeiros do Algarve.

De acordo com o Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro, só até às 13:00, foram registadas 69 ocorrências, com maior incidência nos concelhos de Loulé, Albufeira, Faro e Silves.

Segundo a mesma fonte, algumas estradas ficaram intransitáveis devido ao grande volume de água, e registaram-se inundações ao final da manhã em alguns estabelecimentos comerciais e garagens e não há registo de pessoas desalojadas.

Nas operações nos diversos concelhos estiveram envolvidos 192 operacionais, apoiados por 81 veículos.

O mau tempo que se fez sentir no barlavento algarvio, está a deslocar-se para leste, mas deverá diminuir de intensidade ao longo da tarde, devendo acentuar-se no litoral alentejano, Setúbal e Lisboa.

A indicação foi dada hoje a agência Lusa pela meteorologista Sandra Correia, do Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA), que indicou que o aviso vermelho, o mais grave, termina às 15:00 de Portugal Continental, descendo, depois dessa hora, para laranja, no "eixo Sines/Beja", e amarelo nos distritos de Setúbal e Lisboa, embora sem a intensidade registada no Algarve.

O aviso amarelo prevalecerá nas três duas áreas até às 18:00, altura em que o IPMA reavaliará a situação, sublinhou Sandra Correia.

O mau tempo, acrescentou a meteorologista, deve-se a uma depressão situada a sudoeste do território continental português e que tem estado a afetar e a condicionar o tempo no centro e sul do país.

Durante a noite, disse Sandra Correia, o distrito de Portalegre poderá ser o próximo distrito afetado, mas a previsão só ficará definida após a reavaliação do IPMA de hoje à tarde, altura em que também serão estabelecidos os graus da escala de alerta.

Para segunda-feira, a previsão do IPMA aponta para que o mau tempo será "crítico" nas regiões do sul e do norte e desanuviará no centro, devendo o alerta situar-se entre o amarelo e o laranja, mas nada que se compare ao que se passou hoje de manhã no barlavento algarvio, indicou a meteorologista.

Sandra Correia remeteu, porém, para a reanálise da situação do fim da tarde de hoje.

Quanto à ondulação, há avisos de ondas de quatro a cinco metros de noroeste a sul do Cabo Carvoeiro - afetando Leiria, Lisboa, Setúbal, e os litorais alentejano e algarvio -, com aviso amarelo na região do Sotavento do Algarve, em que chegarão aos quatro metros de altura vindas de sueste.

No Algarve, há ainda a previsão de, até às 21.00, ventos com rajadas, que poderão atingir os 80 quilómetros/hora.

A norte do Cabo Carvoeiro, frisou Sandra Correia, não há qualquer estado de alerta e o vento é fraco a moderado.

Na Madeira, o aviso amarelo ligado à ondulação termina às 15:00, enquanto nos Açores não há problemas a registar.