A Marinha anunciou que o mestre da embarcação que naufragou ao largo da Figueira da Foz, e que continua desaparecido, não se encontra interior do arrastão, depois de terem sido efetuados mergulhos a 80 metros de profundidade.

“Os mergulhadores da Marinha efetuaram hoje dois mergulhos a grande profundidade, a 80 metros, no local onde se encontra afundada a embarcação de pesca ‘Veneza’, por forma a confirmar se o mestre da embarcação se encontrava no interior da casa do leme”, refere a Marinha, em comunicado.

A Marinha salienta que foi confirmado, visualmente, que o mestre não se encontra no interior do barco de pesca.

“Entre as 08:00 e as 14:00 foram realizados dois mergulhos técnicos de elevada complexidade, no limite da profundidade da capacidade de operação dos mergulhadores da Marinha, que é de 81 metros, tendo sido recolhidos todos os elementos de informação necessários para assumir esta conclusão”, acrescenta.

Os mergulhos decorreram em segurança para os mergulhadores, que, por precaução, tiveram necessidade de recuperar durante cinco horas no interior da câmara hiperbárica que se encontra a bordo do navio de investigação científica ‘Almirante Gago Coutinho’.

A embarcação de pesca "Veneza", que naufragou na madrugada de quarta-feira a cerca de 20 quilómetros ao largo da Figueira da Foz, foi encontrada pelos meios de busca da Marinha no domingo, afundada a 80 metros de profundidade.

A embarcação foi detetada a 3,7 quilómetros a sul do local de alerta do naufrágio, com recurso a um sonar de varrimento lateral, informação posteriormente confirmada através de imagens captadas por um robot subaquático (denominado ROV), operado remotamente por técnicos do Instituto Hidrográfico a bordo do navio Gago Coutinho, que está no local a ajudar às buscas.

Aquando do naufrágio estavam a bordo quatro pessoas, sendo que as autoridades já recuperaram três corpos.