Uma derrocada num depósito de água, em Venda Nova, na Amadora, fez esta segunda-feira um ferido grave. Segundo a TVI24 apurou no local, trata-se de um homem que ficou preso pelas pernas nos escombros.

Quando chegámos ao local encontrámos este cenário nada fácil de resolver visto a altura e a estrutura. A estrutura está instável, tem uma vítima no meio, presa pelas pernas. Neste momento foi sedado pela equipa médica da VMER", afirmou o comandante dos Bombeiros Voluntários da Amadora, Mário Conde, aos jornalistas.

O ferido viria a ser resgatado cerca das 14:40, depois de várias horas de trabalho.

O alerta da derrocada de "uma estrutura de cimento e betão armado" foi dado às 09:58.

O comandante da Proteção Civil da Amadora, Luís Carvalho, contou à Lusa que estão no local 17 bombeiros, seis elementos da Polícia de Segurança Pública (PSP), dois membros da Proteção Civil e um elemento do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS), além de cinco viaturas dos bombeiros, duas da PSP e duas da Polícia Municipal.

No local estão também duas gruas para ajudar ao desencarceramento e as autoridades aguardam a chegada de uma terceira para retirar o homem "em segurança".

João Marques, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), disse que o serviço recebeu uma chamada pelas 10:14 para a aparente "derrocada de uma estrutura sob um trabalhador".

Ao local foram chamados a viatura médica do Hospital Santa Maria e os Bombeiros Voluntários da Amadora.

"Em estado grave"

Depois de retirado, o homem que ficou encarcerado em escombros, na Amadora, foi transportado "em estado grave" para o Hospital de Santa Maria, segundo disse à agência Lusa fonte do INEM.

O comandante da Proteção Civil da Amadora, Luís Carvalho, adiantou que o homem teve de ser "sedado pelos médicos do INEM" para minimizar as dores causadas durante as operações de socorro.

Os bombeiros tiveram de "retirar blocos de betão armado" porque tinha o "pé entre duas lajes", precisou.