O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, admitiu que o lixo na cidade possa ficar por recolher esta noite devido à greve na Valorsul, caso não se encontre uma alternativa ao longo do dia.

Acumulação de lixo devido à greve já é visível em Lisboa

«Se não houver nenhuma alternativa ao longo deste dia, logo já não poderemos fazer a recolha do lixo na cidade», disse António Costa à margem do ciclo de conferências «Segurança e Desenvolvimento» promovido pela GNR e no qual foi hoje orador.

António Costa adiantou que a Câmara de Lisboa já recolheu o lixo até à sua «capacidade de armazenamento», tendo ficado por fazer, na última noite, vários circuitos.

Isto porque, segundo o autarca, a Valorsul não está a trabalhar, não existindo condições para entregar o lixo.

«A Valorsul está a tentar bloquear soluções. É inacreditável. Não temos dúvidas de que é isso que está a acontecer, o que é gravíssimo», considerou esta manhã à Lusa o vereador da Higiene Urbana, Duarte Cordeiro.

Na terça-feira, o vereador disse que cerca de 30 camiões se dirigiram às instalações da Valorsul em São João da Talha, Loures, para depositar o lixo, mas voltaram para trás devido à greve dos trabalhadores, considerando não haver condições.

Contudo, a empresa assegurou na terça-feira haver serviços mínimos e referiu que os camiões não chegaram a tentar fazer a deposição dos resíduos nas instalações.

Por sua vez, António Costa garantiu que a Câmara de Lisboa tem procurado encontrar várias soluções, «mas até agora nenhuma se revelou ainda viável».

Os lisboetas produzem em média uma tonelada de lixo por dia.

Os trabalhadores da Valorsul cumprem hoje o terceiro de quatro dias de greve, que começou às 00:00 de segunda-feira e termina na quinta-feira.

Na origem da paralisação está a privatização de 100% da participação do Estado na Empresa Geral de Fomento (EGF), uma sub-holding do grupo Águas de Portugal para o setor dos resíduos, aprovada no final de janeiro pelo Conselho de Ministros.

A EGF é responsável pela recolha, transporte, tratamento e valorização de resíduos, através de 11 empresas concessionárias, da qual faz parte a Valorsul, situada no concelho de Loures e que atua em 19 municípios da Área Metropolitana de Lisboa e da zona Oeste.

A empresa serve os municípios de Alenquer, Alcobaça, Amadora, Arruda dos Vinhos, Azambuja, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lisboa, Loures, Lourinhã, Nazaré, Óbidos, Odivelas, Peniche, Rio Maior, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras e Vila Franca de Xira.