Depois de só no domingo passado terem sido registados 48 pequenos sismos, ao longo de segunda-feira ocorreram mais nove, subindo o total de eventos para 57, segundo a última atualização feita pelo Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) e o CIVISA, que não observaram danos.

Três destes sismos foram sentidos nas Furnas, com intensidade máxima II/III (escala de Mercalli Modificada), um deles no domingo de manhã e os outros dois na segunda-feira, às 18:19 e às 22:48 locais (uma hora mais tarde em Lisboa).

Estes três sismos tiveram magnitude entre 1.8 e 2.0 na escala de Richter e todos com epicentro entre quatro e cinco quilómetros a oeste das Furnas.

«O padrão de atividade observado mantém-se, verificando-se que os sismos ocorrem em pequenos grupos, alternando períodos de maior sismicidade com fases de acalmia. Neste contexto, não se pode excluir a ocorrência de novos períodos de libertação de energia, incluindo sismos sentidos», explica a Proteção Civil açoriana num comunicado emitido hoje.

De acordo com a mesma fonte, não há registo de quaisquer danos relacionados com estes sismos.

O investigador do CIVISA João Luís Gaspar, que é também reitor da Universidade dos Açores, disse na segunda-feira à Lusa que «estes tipos de crises sísmicas muito localizadas no espaço e no tempo são frequentes em sistemas simovulcânicos» como o da zona em questão.

«Este padrão de atividade já aconteceu no passado. Normalmente é um padrão caracterizado pela ocorrência de sismos em pequenos grupos e é isto que estamos também a verificar agora. Para todos os efeitos mantêm-se as recomendações para situações deste tipo que devem ser tomadas pela população», salientou.

No seu portal na Internet, o CIVISA informa ainda que se mantém «a atividade sísmica a oeste das Furnas, ilha de São Miguel, embora com uma menor frequência de eventos», e que «a atividade sísmica no resto dos Açores encontra-se, no geral, dentro dos níveis normais de referência».