O Tribunal de Vale de Cambra condenou hoje ao pagamento de 1.500 euros de multa a avó de uma menina de três anos que foi atropelada mortalmente em 2012, na berma da estrada nacional 224, que liga Vale de Cambra a Arouca.

O tribunal deu como provado que a mulher, de 82 anos, não cumpriu com o dever de vigilância, porque deixou a menor sozinha na rua, condenando-a por um crime de homicídio por negligência.

«Devia ter segurado a menina pela mão. Estava à sua guarda e cuidados», disse a juíza durante a leitura da sentença, acrescentando que a arguida agiu com «irreflexão e insensatez».

O condutor da viatura que atropelou mortalmente a menina também foi condenado ao pagamento de 1.250 euros de multa, pelo mesmo crime, e a inibição de conduzir pelo período de quatro meses, por contraordenações rodoviárias.

O tribunal entendeu que o condutor, desempregado, de 25 anos, conduziu de forma «descuidada e desatenta», porque «viu a criança e devia ter reduzido a velocidade».

A juíza censurou ainda o comportamento dos dois arguidos que «não quiseram assumir a responsabilidade pelo sucedido, antes tentando imputá-la um ao outro».

Durante o julgamento, a avó garantiu que no momento anterior ao atropelamento tinha a menina presa pela mão.

Já o condutor da viatura disse que a menina atravessou a rua a correr, assegurando que não circulava a mais de 50 quilómetros horários.

O acidente ocorreu no dia 10 de março de 2012, pelas 10:00, à saída de um minimercado no lugar de Algeriz, Macieira de Cambra.

A menina estava a saltitar junto à berma da estrada e ficou parada, quando veio um automóvel que a atropelou.

A criança ficou gravemente ferida ao bater com a cabeça no capô do carro e veio a falecer três dias depois do acidente no Hospital de S. João, no Porto, na sequência de um traumatismo cranioencefálico.