A Direção-Geral da Saúde alertou esta segunda-feira para dificuldades no fornecimento da vacina contra a tuberculose nos próximos meses e recomendou uma boa gestão das reservas existentes, frisando no entanto que não há risco para a saúde pública.

As reservas existentes da vacina (BCG) nas Administrações Regionais de Saúde «devem de ser geridas ao nível regional, concentrando as vacinas existentes nas maternidades ou fazendo marcações para vacinação», diz a Direção em comunicado.

No mesmo diz-se ainda que os utentes que forem afetados pela falta de vacina devem de ser informados e tranquilizados sobre a situação, e que todas as crianças que não forem vacinadas deverão de ser contactadas pelo respetivo centro de saúde logo que este receba novo fornecimento de BCG.

Citando a empresa que distribui a vacina BCG em Portugal a Direção-Geral da Saúde diz que a situação deve de estar regularizada no final de maio.

Os constrangimentos devem-se “a dificuldades por parte do Laboratório Público da Dinamarca que fornece as vacinas a Portugal”, diz-se no comunicado.

Ainda que a situação não constitua “risco para a saúde pública” é importante “reforçar outras medidas de prevenção da tuberculose”, acrescenta-se.