O número de casos de sarampo confirmados em Portugal subiu para 21 e há vários doentes sob investigação. A informação foi divulgada pela Direção-Geral da Saúde (DGS), em comunicado, depois de o diretor-geral, Francisco George, ter admitido que a hipótese de baixar a idade da primeira vacina está a ser estudada.

O balanço anterior da DGS dava conta de 15 casos confirmados e 11 sob investigação, mas ao final desta segunda-feira, o Instituto Ricardo Jorge confirmou mais seis doentes, subindo, assim, para 21 o número de casos confirmados desde janeiro.

Ainda de acordo com as informações prestadas na segunda-feira, o único caso preocupante é o de uma jovem adolescente internada no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa.

No novo comunicado, a DGS destacou que “não há razões para temer uma epidemia de grande magnitude, uma vez que a larga maioria das pessoas está protegida porque foi vacinada ou teve anteriormente a doença”. Mas deixou o apelo: “A vacinação é a principal medida de prevenção, é gratuita e está disponível para todas as pessoas presentes em Portugal”.

De resto, o diretor-geral da Saúde, Francisco George, já veio questionar a decisão dos pais que não vacinam os filhos. O responsável defendeu que se devia fazer um debate sobre vacinação em Portugal para perceber se há pais que não vacinam os filhos e por que não o fazem.

Mais, o Programa Nacional de Vacinação recomenda a vacinação com duas doses, aos 12 meses e aos 5 anos de idade, mas Francisco George sublinhou que a hipótese de baixar a idade da primeira vacina para antes dos 12 meses está a ser estudada.

Desde janeiro, Portugal já registou mais casos de sarampo do que em dez anos. Entre 2006 e 2014 foram registados 19 casos. A doença estava erradicada em Portugal desde o ano passado.