O ministro da Saúde explicou esta terça-feira o atraso no fornecimento da vacina contra a tuberculose que os bebés têm de administrar, relativizando a situação.
 

«A Direção-geral Saúde já deu indicações de que não há perigo para as crianças»


O problema está no fornecedor, mas em breve estará tudo normalizado:

«Estamos dependentes de um fornecedor a nível europeu. O fornecedor diz que regulariza o fornecimento de vacinas em junho, no espaço de dois meses»

A Direção-Geral de Saúde tinha garantido, há duas semanas, que a situação seria normalizada em maio. 

Na segunda-feira, a DGS já tinha emitido um comunicado, alegando também que as dificuldades de fornecimento estão relacionadas com problemas de produção no «único laboratório que fabrica vacina para a Europa», um laboratório público na Dinamarca.  E insistiu, tal como o ministro hoje, que a «situação não constitui risco para a saúde pública». 

As crianças que não forem vacinadas à nascença serão posteriormente contactadas pelos centros de saúde.