No primeiro mês do ano foram distribuídos cheques-dentista a mais de 146 mil utentes do Serviço Nacional de Saúde, segundo dados da Ordem dos Médicos Dentistas, que espera que as escolas sejam céleres na distribuição destes cheques aos alunos.

Segundo o bastonário Orlando Monteiro a Silva, o número de cheques-dentista distribuídos entre 1 de janeiro e os primeiros dias de fevereiro é adequado, até porque os cheques podem ser usados até ao final de outubro.

Dos 146 mil cheques distribuídos a crianças, idosos com complemento solidário e grávidas, só foram usados pouco mais de oito mil cheques.

Apesar de o ano letivo estar já a meio do segundo período, há ainda escolas que não fizeram a distribuição de cheques-dentista, o que a Ordem considera ser, por agora, uma situação normal.

«Há umas unidades de saúde com melhores contactos com escolas do que outras. Mas não temos tido relatos de problemas. A distribuição dos cheques está a decorrer a um ritmo aceitável», disse à Lusa o bastonário dos Médicos Dentistas.

Ainda assim, Monteiro da Silva sublinhou a necessidade de as escolas articularem, «o mais cedo possível», com os centros de saúde para que os cheques-dentista possam ser usados pelos alunos com tempo e de forma adequada.

Cerca de 250 mil crianças que frequentam a escola pública devem receber este ano letivo cheques-dentista, que abrangem, pela primeira vez, jovens de 16 anos.

Segundo as estimativas da Ordem, deverão ser distribuídos 320 mil cheques para um universo estimado de 250 mil crianças com sete, 10, 13 e 16 anos.