Ao longo deste ano serão constituídas até 33 novas Unidades de Saúde Familiar (USF) e 18 vão passar de modelo A para modelo B, segundo um despacho conjunto dos ministérios da Saúde e das Finanças publicado esta quinta-feira.

O diploma define que “o número máximo de USF a constituir para o ano de 2015 é de 33”, dez das quais para a região de Lisboa e Vale do Tejo e outras 12 para a zona centro.

As restantes ficarão distribuídas pelo Norte (sete), e pelo Alentejo e Algarve (duas para cada uma das regiões).

Quanto às USF previstas transitar do modelo A para o modelo B neste ano, oito serão no Norte, cinco em Lisboa e Vale do Tejo, cinco no Centro, uma no Alentejo e duas no Algarve, apurou a Lusa.

O Governo considera, de acordo com o texto do despacho, adequado o reforço do modelo de USF, uma vez que estas “têm vindo a contribuir para a melhoria da acessibilidade, da cobertura assistencial, da eficiência económica e para a qualidade efetiva dos cuidados de saúde prestados à população”.

No entanto, salvaguarda a “necessidade de avaliar o modelo de organização, funcionamento e remuneração das USF baseado em análise de custo-eficácia”.

As USF foram criadas em 2005 como uma forma alternativa ao habitual centro de saúde, prestando também cuidados primários de saúde, mas com autonomia de funcionamento e sujeitas a regras de financiamento próprias, baseados também em incentivos financeiros a profissionais e à própria organização.

No final do ano passado, a associação das USF alertou no parlamento para a diminuição do ritmo de abertura de novas unidades, lamentando o desinvestimento nos cuidados de saúde primários.

Segundo dados apresentados em outubro, a média de USF a iniciar atividade por mês baixou em 2014 para três, quando em 2008 tinha sido de 9,17. Este ano ainda só tinha aberto uma.

Entretanto, ouvido na quarta-feira na Comissão Parlamentar de Saúde, o ministro da Saúde recordou que durante a sua governação foram abertas 117 USF e adiantou que durante este ano seriam abertas várias outras, além de 20 centros de saúde que vão ficar em construção.