“Se é para esperar um ano, é natural que os médicos prefiram sair do país”, garantiu.




“É um número insuficiente, além de que demonstra o desinvestimento nas USF”, referiu o presidente da direção.