A falta de clínicos no serviço «fez com que várias pessoas, com pulseira laranja, estivessem mais de duas horas para serem atendidas e algumas, entre as quais um senhor com o nariz e costelas partidas, abandonaram o hospital para procurarem tratamento noutra unidade»