O Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior mostrou-se satisfeito com os resultados da segunda fase de acesso, que confirmam que “há mais interesse em estudar”, tendo sido colocados mais 9.577 estudantes nas universidades e politécnicos públicos.

No conjunto da primeira e segunda fases já ingressaram no ensino superior público, através do concurso nacional de acesso, 45.830 novos estudantes (+1,9% que em 2015).

“Este processo que se verificou este ano de aumento do número de estudantes é um bom caminho e mostra que há mais interesse em estudar e que os portugueses querem estudar”, salientou o ministro Manuel Heitor, que falava à margem de uma visita à Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Vila Real.

Para o governante, os resultados desta segunda fase de colocações demonstram que “há mais vontade de estudar”.

“A segunda fase veio confirmar as estimativas que já tinham vindo a ser divulgadas e que estamos num movimento e num processo de maior interesse dos portugueses pelo ensino superior”, reforçou.

Dos 9.577 estudantes colocados agora nas universidades e politécnicos públicos, 1.869 dos quais já tinham conseguido vaga na primeira fase.

Manuel Heitor considerou um "número normal" e referiu que não se trata de alunos que tenham desistido do ensino superior mas sim que optaram por trocar de cursos.

39 licenciaturas sem um aluno

Questionado sobre as 39 licenciaturas que não tiveram qualquer aluno, o ministro referiu que os cursos a funcionar em Portugal estão acreditados e, por isso, considerou que “não há nenhuma avaliação adicional que tenha que ser feita”.

“O concurso nacional diz respeito apenas a cerca de menos de 60% dos estudantes que ingressam no ensino superior e há muitos outros regimes de acesso. Os dados que foram divulgados este ano com todos os outros regimes mostram bem que não há cursos a mais, há eventualmente estudantes a menos”, referiu.

Os estudantes colocados nesta fase devem matricular-se entre 29 de setembro e 3 de outubro.

A terceira fase do concurso, a última e que coloca um número residual de estudantes, decorre entre 06 e 10 de outubro, com as candidaturas online no portal da Direção-Geral de Ensino Superior (DGES).

Na UTAD, o ministro visitou a exposição de ciência promovida pelos centros de investigação da academia, passou ainda pela Associação de Paralisia Cerebral para conhecer projetos desenvolvidos pelos universitários e destinados a pessoas com necessidades especiais.

O programa da visita incluiu ainda uma passagem pela academia desportiva “Active Gym”, a sala de estudo aberta 24 horas, a unidade de saúde da universidade e a libertação de uma ave selvagem recuperada no Hospital Veterinário da UTAD.

Esta iniciativa inseriu-se na semana de integração dos novos alunos que está em curso na academia transmontana.