Os docentes do ensino superior e os investigadores concentram-se este sábado, em Lisboa, para uma manifestação em frente ao Ministério da Educação, para contestar as políticas dos últimos anos e as medidas previstas no Orçamento do Estado para 2014.

Do ponto de vista do Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup), que organiza o protesto, as medidas previstas «colocam em causa a qualidade e prestígio do Ensino Superior e Ciência».

A manifestação, marcada para as 15:00 em frente às instalações do Ministério da Educação na avenida 05 de Outubro, em Lisboa, segue-se ao Conselho Nacional do SNESup, que vai contar com a presença de representantes de universidades e politécnicos, e que tem por objetivo definir as «próximas ações de luta contra os cortes no financiamento do Ensino Superior e Ciência e das reduções salariais anunciadas».

«Em cima da mesa estará a paralisação de todas as instituições do Ensino Superior», alertou o sindicato, em comunicado.

De acordo com as contas do SNESup, o Orçamento do Estado para 2014 vai trazer reduções salariais médias de 12% para docentes e investigadores, e uma redução de verbas a transferir para as instituições de ensino superior, que se vão somar a cortes na ordem dos 27%, efetuados nos últimos cinco anos.

O protesto surge numa altura em que o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) anunciou um corte de relações com o Governo, na sequência das negociações sobre as dotações do Orçamento do Estado do próximo ano e a restruturação da rede de Ensino Superior.

Além de anunciar o corte de relações com o Governo, o presidente do CRUP, António Rendas, pediu a demissão do cargo face à «generalizada falta de diálogo» e «quebra de compromissos assumidos» por parte do Governo.

O Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) solidarizou-se com o CRUP por sentir «as mesmas dificuldades» na relação com o Executivo.