A percentagem de refeições servidas nas cantinas da Universidade de Lisboa diminuiu 28% entre janeiro de 2013 e janeiro de 2014, revelou o reitor da instituição, António Cruz Serra, que entende os números como «sinal da crise».



«Constato, com muita preocupação, que no corrente ano se verifica uma forte quebra na procura de refeições nas nossas cantinas. Comparando os meses de janeiro de 2013 e 2014 verificamos um decréscimo de 28% no número de refeições servidas. Esta tendência de descida mantém-se no mês de fevereiro e reforça a tendência que já vem de 2012», disse o reitor, na cerimónia oficial de abertura do ano académico 2013-2014 da Universidade de Lisboa, que decorreu esta quinta-feira na Aula Magna da Reitoria da instituição.



Em declarações aos jornalistas no final da cerimónia, Cruz Serra, que já tinha afirmado no discurso que «urge acompanhar a situação, apurar as causas e, caso seja necessário, implementar medidas que invertam esta tendência», explicou que se pode tratar de um reajustamento dos estudantes ao momento atual de crise económica, que os esteja a forçar a fazer refeições em casa, evitando as cantinas, apesar dos preços baixos praticados nas refeições.



De acordo com a Lusa, Cruz Serra admitiu que, mesmo com esses preços, os alunos não tenham capacidade de suportar o pagamento diário de refeições nas cantinas. O reitor afirmou disse que uma das soluções poderá passar, por exemplo, por disponibilizar mais micro-ondas para os estudantes que optam por levar as refeições de casa.