A Universidade de Aveiro vai conceder isenção de propinas aos alunos que a coloquem como primeira opção de ingresso no ensino superior e tenham média igual ou superior a 17,5 valores, anunciou a instituição.

Todos os “caloiros” que escolham a Universidade de Aveiro (UA) como primeira opção no concurso nacional de acesso e que tenham uma nota de candidatura igual ou superior a 17,5 valores vão estar isentos do pagamento de propinas durante o primeiro ano.

Os estudantes contemplados com as bolsas de estudo que a academia de Aveiro vai entregar já a partir do próximo ano letivo, equivalentes ao valor anual das propinas, podem mesmo beneficiar da isenção até ao final da licenciatura e, caso prossigam os estudos, do mestrado, bastando que para isso, ao longo dos anos e sem interrupções, mantenham ou superem a média com que entraram na Universidade.

Segundo uma nota informativa da Reitoria da Universidade, o mesmo se aplica aos alunos que ingressem num mestrado integrado.

Encaramos as bolsas aos melhores caloiros como um investimento no futuro: no futuro dos candidatos, mas também no futuro do país e no futuro da instituição”, justifica Gonçalo Paiva Dias, vice-reitor da UA.

O objetivo, segundo o responsável pela área académica da Universidade de Aveiro, é “atrair para a UA ainda mais alunos de qualidade excecional, mas também incentivar esses alunos a manter essa mesma excelência durante todo o seu percurso de formação”.

Com o novo formato de bolsas, qualquer estudante que ingresse em qualquer curso, em primeira opção e com 175 pontos ou mais de média de candidatura, beneficiará de uma bolsa equivalente à propina nacional, benefício que pode continuar a usufruir durante todo o seu percurso de formação, incluindo na continuação para estudos de mestrado, desde que mantenha o mesmo nível de prestação e que não interrompa os estudos entre os dois ciclos de ensino”, explica o vice-reitor.