O geólogo João Cotelo Neiva, antigo reitor da Universidade de Coimbra (UC), morreu na cidade aos 98 anos, anunciou esta sexta-feira uma fonte da instituição, indicando que o funeral se realiza no sábado de manhã para Alijó.

O professor jubilado estava doente e morreu, na quinta-feira, no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

João Manuel Cotelo Neiva exerceu as funções de reitor, de 1971 a 1974, num período de intensa agitação política na academia, que coincidiu com o acentuar da luta dos estudantes contra a ditadura e a guerra colonial, entre a Crise Académica de 1969 e a revolução do 25 de Abril.

Enquanto reitor da mais antiga universidade portuguesa, protagonizou a criação da Faculdade de Economia e das licenciaturas de Engenharia, transformando a Faculdade de Ciências, da qual foi diretor, de 1963 a 1971, em Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCTUC), quando José Veiga Simão era ministro da Educação.

«Sem essas duas faculdades e o incentivo que deu à investigação científica, a Universidade de Coimbra seria hoje muito mais pobre», afirma o atual reitor numa nota hoje divulgada.

João Cotelo Neiva foi um «grande geólogo» e teve na Universidade «uma ação muito determinada pelas circunstâncias políticas da época», adianta João Gabriel Silva.

O corpo está em câmara ardente na capela de São Miguel, na UC, onde decorrerão as exéquias fúnebres, no sábado, às 10:00, saindo depois o cortejo para São Mamede Ribatua, concelho de Alijó, no distrito de Vila Real.

Fonte da Universidade disse à Lusa que, ainda na capela de São Miguel, João Gabriel Silva e o diretor da FCTUC, Luís Neves, farão o elogio fúnebre do antigo reitor.

Segundo a agência encarregada das cerimónias, vai realizar-se uma missa de corpo presente na igreja de São Mamede Ribatua, às 16:00, antecedendo o funeral para o cemitério local.