Os investigadores ingleses encarregados da investigação ao desaparecimento de Madeleine MacCan já estão nas instalações da Polícia Judiciária (PJ) de Faro, onde têm previsto inquirir cerca de uma dezena de testemunhas, constatou a Lusa no local.

Depois de na terça-feira terem passado o dia a interrogar quatro homens constituídos arguidos, a equipa de investigação inglesa chegou às instalações da diretoria de Faro depois das 9:30, com um grupo de sete elementos que entrou pela garagem, numa carrinha seguida por um automóvel onde se encontravam outros quatro investigadores, entre eles Andy Redwood, encarregado de coordenar a investigação da Scotland Yard.

Andy Redwood saiu do veículo em plena rua, tendo depois entrado para a garagem pelo seu próprio pé, seguido de um outro veículo da Polícia Judiciária que transportava, no banco traseiro, um homem que tapou a cara e que poderá ser uma das primeiras testemunhas a ser inquirida.

Isto perante os olhares de cerca de uma dezena de repórteres britânicos e portugueses que se encontram junto às instalações da PJ a tentar obter mais informações sobre o andamento dos interrogatórios.

Fonte ligada ao processo tinha adiantado na terça-feira à Agência Lusa que a PJ estava a interrogar, em Faro, quatro homens de nacionalidade portuguesa constituídos arguidos no âmbito do desaparecimento de Madeleine MacCan, além de inquirir mais de uma dezena de testemunhas.

Segundo a mesma fonte, também se encontram no Algarve cães da polícia inglesa, os quais «poderão vir a ser utilizados em futuras operações de busca, nomeadamente a viaturas».

As diligências que estão a decorrer em Portugal surgem na sequência de um pedido feito pelas autoridades britânicas.

Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.