Uma plataforma de investigadores confirmou hoje que vai impugnar judicialmente o concurso Investigador FCT de 2013, depois de a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) ter recusado a sua anulação, disse à Lusa um dos membros da estrutura.

A Plataforma em Defesa da Ciência e do Emprego Científico em Portugal, que já tinha ameaçado recorrer aos tribunais, requereu à FCT a anulação do concurso, alegando várias irregularidades, mas a Fundação «não reconheceu a reclamação», pelo que a estrutura de investigadores vai impugnar judicialmente o concurso, assinalou Quirina Ferreira, investigadora do Instituto de Telecomunicações.

A mesma fonte adiantou que os termos da impugnação serão acertados, possivelmente ainda esta semana, com o advogado da plataforma, precisando que a resposta da FCT foi comunicada na terça-feira, dia em que centenas de bolseiros, investigadores e docentes saíram à rua, em Lisboa, em protesto contra o corte no número de bolsas de doutoramento e pós-doutoramento.

A Lusa procurou uma reação da FCT, que tem rejeitado quaisquer ilegalidades, à iniciativa de impugnação do concurso Investigador FCT 2013, mas tal não foi possível até ao momento.

Entre as irregularidades apontadas pela Plataforma em Defesa da Ciência e do Emprego Científico em Portugal ao concurso conta-se a avaliação dos candidatos sem critérios científicos.

O presidente da FCT, Miguel Seabra, vai ser ouvido, na sexta-feira, na comissão parlamentar de Educação, Ciência e Cultura, na sequência de um requerimento apresentado pelo Bloco de Esquerda sobre os cortes nas bolsas individuais de doutoramento e pós-doutoramento.