Todos os estudantes bolseiros da Universidade de Coimbra estão sem receber os meses de abril e maio, segundo o presidente da Associação Académica de Coimbra (AAC). 

A situação é "gravíssima" e é um caso "vergonhoso e lamentável para o país"


Bruno Matias alertou, em declarações à Lusa, que esta situação poderá também estar a acontecer "um pouco por todo o país", sublinhando que, em Coimbra, os Serviços de Ação Social da Universidade de Coimbra (SASUC), já tiveram de "acionar mecanismos de emergência a estudantes que pediram auxílio".

"Estamos a falar de estudantes com dificuldades e o Governo nem consegue cumprir com as suas obrigações", afirmou, frisando que há muitas situações "alarmantes e preocupantes".

O dirigente estudantil recordou que o regulamento de atribuição de bolsas está em processo de revisão, considerando que, caso se implemente um dia fixo para o pagamento das bolsas aos estudantes (algo que defende), o Governo "deveria ser penalizado com juros de mora", caso não cumpra com o prazo.

"Se o estudante não cumpre com o pagamento de propinas pode ficar suspenso das práticas letivas, então o Estado também deve ser penalizado quando não cumpre com o prometido". Não pode haver "dois pesos e duas medidas".


Na terça-feira, vai haver um encontro de associações académicas, em Coimbra, onde, de acordo com Bruno Matias, esta situação vai ser discutida.

A agência Lusa tentou obter esclarecimentos por parte do Ministério da Educação e Ciência, mas não foi possível até ao momento.