A Secção Regional do Norte (SRN) da Ordem dos Médicos (OM) denunciou esta segunda-feira que a urgência pediátrica do Hospital de Barcelos está «comprometida» porque, no início do mês, «ficou apenas com um médico pediatra».

«As equipas do serviço de urgência de pediatria normalmente eram constituídas por dois pediatras e por um colega tarefeiro de Medicina Geral e Familiar (MGF). Desde 01 de abril, a equipa de urgência ficou privada do colega de MGF. A partir de 01 de junho, apenas ficou com um médico pediatra que realiza um horário de 12 horas no serviço de urgência», descreveu em conferência de imprensa, o presidente da SRN da OM, Miguel Guimarães.

Também na urgência geral existe «muitas vezes apenas um clínico geral quando estão previstos três», o que deixa doentes à espera «até cinco e sete horas», acrescentou o responsável.

No hospital de Barcelos, os problemas mais graves dizem ainda respeito ao serviço de Ortopedia, onde «os doentes traumatizados aguardam muitas vezes mais de uma semana para serem tratados», revelou Miguel Guimarães.

«A consequência imediata é que as cirurgias programadas são sucessivamente adiadas», acrescentou, notando que «o serviço de anestesia tem apenas dois especialistas, o que significa que, quando um está de férias, fica apenas um de serviço».

Miguel Guimarães critica também que, «no período das 20:00 às 08:00, os doentes de ortopedia» fiquem «entregues à instituição», já que os «pós-operatórios imediatos de cirurgias invasivas, como artroplastias ou revisões de artroplastias» não contam com «o apoio de um especialista de ortopedia».

«A limitação nos quadros tornou prática habitual a realização de cirurgias com apenas um cirurgião presente. O ajudante fica na consulta externa. Esta prática já se estendeu à cirurgia de ambulatório de ortopedia e otorrinolaringologia», lamenta o responsável.