O tribunal do Seixal condenou um treinador desportivo a oito anos de prisão pelos crimes de abuso sexual de crianças, tendo o homem ficado ainda proibido de exercer atividades junto de menores durante dez anos, foi anunciado nesta terça-feira.

De acordo com um comunicado hoje divulgado no site da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), «foi proferido em maio, o acórdão que condenou um arguido que trabalhava como treinador desportivo junto de menores, pelos crimes de abuso sexual de crianças, aplicando a pena de 8 anos de prisão e uma pena acessória de proibição de atividades junto de menores por 10 anos».

O arguido, que «se apresentou em várias associações desportivas da margem sul do Tejo, propunha-se efetuar trabalho voluntário com crianças, tendo sido aceite por algumas delas», estava acusado da prática de quatro crimes de abuso sexual de criança, três destes agravados.

A PGDL adianta ainda que o homem «treinou equipas de futebol e de ténis de mesa e acompanhou crianças nas atividades organizadas pelas respetivas associações», tendo sido «nesse contexto que praticou os crimes de que foi acusado e de que se fez prova em julgamento».

Na semana passada, a PGDL também anunciou que o 2.º Juízo Criminal de Almada condenou um outro treinador de futsal a 15 anos de prisão efetiva pela prática de crimes de abuso sexual e pornografia de menores.

Este outro treinador esteve ligado ao Clube Figueirinhas de Almada, Clube Desportivo do Feijó e Clube Vale de Milhaços e foi neste último que praticou os crimes pelos quais foi condenado, beneficiando «da confiança da direção, dos pais dos jovens e de estes».

De 30 anos, o treinador foi acusado da prática de 51 crimes de abuso sexual de 16 jovens e dois de pornografia de menores.