A TAP afirmou este domingo que está a tentar resolver o problema duma centena de passageiros que ficaram retidos no Aeroporto da Madeira devido às condições meteorológicas e apenas têm voo disponível no dia 12.

«As condições atmosféricas obrigaram ao cancelamento de alguns voos com origem e destino a Madrid (1), Lisboa (3) e Porto (1), devido a questões externas à TAP, por causa das condições climatéricas», afirmou o porta-voz da TAP.

Segundo André Serpa Soares, dos 400 passageiros retidos na noite de sábado, «a maior parte deles, cerca de 50 por cento já foram protegidos noutros voos, uma centena deverá ter a sua situação resolvida durante o dia de hoje, ficando pendentes cerca de uma centena».

O responsável mencionou que essas pessoas só podem ser protegidas ocupando lugares disponíveis nos voos que estão programados.

«A TAP está a trabalhar para encontrar uma solução que não é aquela que as pessoas desejam, mas é a possível», assegurou.

Adiantou que a situação se torna mais complicada por se estar «num período de procura alta, em que os voos estão todos cheios e há o problema de limitação da frota da TAP e os aviões estão em plena atividade».

O porta-voz referiu que a transportadora aérea está a «envidar todos os esforços para realizar um voo extraordinário para resolver os casos pendentes, mas não consegue de um dia para outro, só é possível dia 12».

Os cerca de 400 passageiros que ficaram retidos na Madeira pernoitaram em hotéis, referindo Serpa Soares que muitos casos «têm direito a compensação, embora não seja imediata».

No aeroporto da Madeira os passageiros afetados por esta manifestação exibem cartazes nos quais «exigem respeito», declaram que este tipo de situações são «uma vergonha para a TAP», dizem estar «raptados pela TAP» e dizem que «24 horas chegam» para resolver o problema.