Um surto de gastroenterite afetou nos últimos dias cerca de 50 pessoas em Castelo de Vide, estando as causas ainda por apurar, e as autoridades de saúde alertaram esta quinta-feira que são casos «rápidos» na sua forma de disseminar.

A delegada de saúde pública do distrito de Portalegre, Margarida Silva, explicou aos jornalistas que surgiram na última semana «alguns casos disseminados», principalmente no concelho de Castelo de Vide, sendo «muito rápidos» na sua forma de disseminar.

A médica assegurou que «não há» registo de casos graves, nem motivos para «alarme».

«São situações muito autolimitadas. São dois a três dias de sintomas, normalmente com diarreias, vómitos e cólicas intestinais, mas sem febre», relatou.

Trata-se, segundo a delegada de saúde pública, de cólicas que, pelo seu estudo, «apontam» ser de «causa viral».

Atualmente, acrescentou, encontram-se ainda «alguns casos» em estudo para identificar que tipo de vírus está a afetar os pacientes.

«Não sabemos qual é a causa, porque, sendo muito disseminada, não está ligada a um alimento ou à água», disse.

«Não sabemos qual foi o primeiro caso, pois muitas vezes nestas situações há uma pessoa que adoece e nem sequer vem ao centro de saúde», explicou.

Margarida Silva considerou, no entanto, que «não é habitual» nesta altura do ano surgirem tantos casos, uma vez que este tipo de surtos surge, principalmente, na época do outono.

«Cinquenta pessoas é muita gente, principalmente nesta altura do ano que não é habitual aparecer, pois este tipo de surtos aparece mais no início do outono, mas como está o clima, com passagem de frio para calor, penso que estes surtos estão a tornar-se um pouco diferentes do usual», disse.