O submarino Tridente regressa esta segunda-feira ao Mediterrâneo para integrar a Força Naval Permanente da NATO na operação «Active Endeavour» e num exercício internacional que visa a certificação daquela força em cenários reais com diferentes quadros de conflito.

O NRP Tridente larga esta segunda-feira da Base Naval de Lisboa para integrar a Força Naval Permanente da NATO (Standing NATO Maritime Group 2), prevendo-se a sua participação na operação «Active Endeavour» e no exercício internacional «Noble Justification» no Mediterrâneo.

O regresso está previsto para outubro, indica um comunicado do Estado-Maior General das Forças Armadas.

Aquele exercício naval da NATO visa a preparação e a certificação da Força de Resposta da NATO para o «seu empenhamento em cenários reais com diferentes quadros de conflitualidade, desde operações de carácter essencialmente militar, até missões de apoio humanitário ou assistência a populações civis», segundo o comunicado.

Será a segunda vez, consecutivamente, que o submarino Tridente integra a mesma força da NATO para a Operação Active Endeavour, «centrada na campanha internacional de combate contra o terrorismo».

Em 2012, a missão foi assegurada pelo submarino «Arpão», que foi o primeiro submarino português a integrar aquela operação, como noticia a Lusa.