O Sistema de Alerta Rápido para os Géneros Alimentícios e Alimentos para Animais (RASFF) transmitiu no ano passado 3137 notificações relativas a produtos alimentares inseguros, segundo um relatório divulgado esta sexta-feira em Bruxelas.

Do total, 40 notificações tiveram origem em Portugal (28 em 2012).

A Comissão Europeia anunciou ainda o lançamento, nos 35 anos do sistema de alerta, de um portal do consumidor, que disponibiliza informação sobre produtos identificados pelo RASFF.

Segundo o relatório, a categoria das frutas e vegetais foi a que teve mais notificações (642, menos 11% do que em 2012), seguindo-se o peixe e produtos de pesca, com 311 notificações (-17%).

A maior subida em relação ao ano anterior foi a da categoria do marisco, que, em 2013, ficou em penúltimo lugar na tabela, com 123 notificações (mais 130%).

Na categoria das aves e produtos aviários, as notificações aumentaram 83% para as 215, estando em sétimo lugar de uma tabela de 11.

Em relação ao tipo de risco identificado, houve 714 alertas por deteção de micro-organismos patogénicos, 452 devido a resíduos de pesticidas, 405 por micotoxinas, 290 devido à presença de metais pesados, 181 devido à composição e 168 por adulteração ou fraude.

Quando comparado com o valor de 2012 (3431), o número total de notificações transmitidas através do RASFF em 2013 diminuiu 9%.

As notificações de acompanhamento podem conduzir a uma série de ações, nomeadamente a recolha, retirada, apreensão e destruição dos produtos alimentares.