O Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa (STML) afirmou hoje que a recolha do lixo na cidade está a «entrar em rotura» devido à transferência de cerca de 650 cantoneiros de limpeza para as juntas de freguesia.

«Dos 1.100 trabalhadores que tínhamos, 650 saíram para as juntas de freguesia», frisou à Lusa Delfino Serra, da direção do STML.

Segundo o sindicalista, desde a transferência de competências para as juntas, que ocorreu na semana passada, «muitas voltas ficaram por fazer porque não há trabalhadores suficientes».

De acordo com a agência Lusa, o sindicalista disse ainda que a Câmara de Lisboa está a recorrer a desempregados beneficiários do Contrato Emprego-Inserção para ajudarem os cantoneiros a fazerem a recolha do lixo.

«A situação está a chegar ao extremo, à rotura. E vai agravar-se quando chegar o período de férias», afirmou Delfino Serras.

O sindicato já solicitou uma reunião urgente ao presidente da Câmara de Lisboa para «saber o que pretende António Costa para o futuro da remoção de resíduos sólidos efetuada pelo município».

A Lusa tentou obter um comentário da Câmara de Lisboa, o que ainda não foi possível.