A PSP e a GNR vão partilhar as oficinas de manutenção dos carros com o objetivo de acabar com a duplicação destes serviços, anunciou esta terça-feira o ministro da Administração Interna, avançando que algumas podem encerrar.

«A ideia é que tenhamos um conjunto de oficinas distribuídas pelo território nacional partilhadas entre as duas forças de segurança e nos sítios onde não se justificar faz-se o encerramento e, através de concursos públicos, pode solicitar-se a prestação desses serviços a entidades externas», disse aos jornalistas Miguel Macedo, após uma cerimónia de entrega de viaturas à PSP.

O ministro adiantou que a PSP e a GNR estão a fazer um estudo sobre a racionalização do conjunto de oficinas pertencentes às duas forças de segurança, devendo «dentro de pouco tempo» serem conhecidos os resultados desse trabalho.

«Uma e outra força de segurança vão poder usar as estruturas oficinais que atualmente existem, que são muitas, não vai haver duplicações, encerrar algumas, concentrar meios e com isto fazemos uma manutenção de um dispositivo auto que tem um número muito elevado, que são mais de 10 mil veículos entre duas forças de segurança», afirmou.

Miguel Macedo sublinhou que o objetivo é fazer uma poupança, que estima que «possa ter bastante significado» ao nível do investimento para a manutenção da capacidade das oficinas e em termos de pessoal.

O ministro da Administração Interna participou hoje, na Unidade Especial de Polícia (UEP) da PSP, em Belas, à entrega de 35 carros, 24 motos, quatro reboques e uma viatura de mercadorias, meios que vão ser utilizados sobretudo na investigação criminal, trânsito e intervenção rápida para a criminalidade violenta e grave.

Segundo a PSP, duas das novas motas vão ser utilizadas pelas equipas de prevenção e reação imediata (EPRI) que vão começar a atuar, durante o verão, no Comando Metropolitano de Lisboa,

As EPRI, policiamento motorizado que tem como objetivo o combate à criminalidade violenta e grave, existem desde 2009 em Setúbal.

As viaturas hoje entregues fazem parte de um investimento iniciado em 2013 nas duas forças de segurança, orçado em cerca de 14 milhões de euros, e que o ministro pretende que esteja concluído no final do ano.

Miguel Macedo adiantou que, em breve, a PSP vai receber mais viaturas para o programa Escola Segura e para os comandos distritais.

Na cerimónia, o diretor nacional da PSP, superintendente Luís Farinha disse que as novas viaturas vai permitir ¿aligeirar as necessidades operacionais¿ nas áreas do trânsito, investigação criminal e intervenção rápida.

Segundo o diretor nacional da PSP, os 64 novos meios representa um investimento de 1,2 milhões de euros.