Um comerciante madeirense, radicado há mais de 50 anos na Venezuela, foi assassinado esta terça-feira a tiro em La Candelária, no centro de Caracas, por dois indivíduos armados que assaltaram a sua padaria, causando consternação e revolta na comunidade local.

O assassinato ocorreu pelas 06:30 horas locais (12:00 horas em Lisboa), quando o comerciante José Correia, de 77 anos, abriu umas das portas da padaria El Faro.

«Ele foi intercetado por dois homens armados que chegaram numa motocicleta, que o ameaçaram e levaram para a casa de banho e lhe deram três tiros», explicou uma das vizinhas.

Fontes não oficiais dão conta que um padeiro que chegava ao trabalho chegou a ouvir os assaltantes, que vandalisaram todo o estabelecimento comercial, forçaram a abertura da caixa registadora e levaram o dinheiro da venda alcançada na tarde de segunda-feira.

Ao saber do assassinato dezenas de residentes bloquearam várias ruas de La Candelária, em protesto pela elevada insegurança que se regista no país e para pedir que os assassinos sejam identificados e castigados.

Também em protesto vários comerciantes das redondezas encerraram os seus estabelecimentos e exigiram mais vigilância policial e segurança de parte das autoridades.

O assassínio está a ser investigado pelo Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (Cicpc, antiga Polícia Técnica Judiciária).

Natural de São Vicente, Madeira, José Correia emigrou para a Venezuela aos 16 anos e deixa mulher e dois filhos.

Um irmão da vítima foi também assassinado no passado em Caracas, durante um assalto a um estabelecimento comercial.

Na Venezuela são cada vez mais frequentes as queixas dos cidadãos sobre a elevada insegurança no país, situação que afeta tanto cidadãos nacionais como estrangeiros, designadamente portugueses.