As autoridades venezuelanas encerraram temporariamente um restaurante de portugueses e detiveram duas pessoas, entre elas um dos seus proprietários, a quem acusam de alegado açambarcamento de carne de vaca e de frango, segundo as autoridades.

De acordo com a mesma fonte, os produtos em questão foram conseguidos num restaurante de portugueses no estado venezuelano de Vargas, a norte de Caracas, e a detenção foi efetuada durante uma operação conjunta entre o Instituto para a Defesa das Pessoas no Acesso a Bens e Serviços (Indepabis), a Polícia Municipal de Vargas e a Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar), que detetou 1.380 quilos de frango e 146 de carne de vaca.

«Estes produtos são importados para abastecer os setores sociais mais vulneráveis da população, pelo que estas pessoas foram colocadas à ordem do Ministério Público e lhes impôs uma multa por 700 unidades tributárias (aproximadamente 9.200 euros) e o encerramento do estabelecimento por 48 horas», disse Manuel Grillo, coordenador regional do Indepabis.

A inspeção ocorreu no momento em que o restaurante recebia um carregamento de carne e de frango, que, segundo as autoridades, pertenciam à estatal Corporação de Abastecimento e Serviços Agrícolas, que os deveria distribuir através das redes de supermercados estatais.

«Isto é parte da batalha contra a corrupção, que neste caso afeta muito especialmente a população, porque há gente que faz filas para obter estes produtos e não os compram porque terminam, sendo que na realidade não acabam, mas que são direcionados para o setor privado, o que é um delito humano», disse o alcaide de Vargas, Alexis Toledo, aos jornalistas.

Nos últimos tempos, os venezuelanos têm-se queixado de dificuldades para conseguir no mercado alguns produtos do cabaz básico alimentar, como a carne, frango, açúcar, margarina, farinha de trigo e farinha de milho, entre outros.