As autoridades francesas desmantelaram durante o fim de semana uma rede de imigração ilegal para a Europa, incluindo Portugal, de cidadãos do Paquistão, Sri Lanka e Indonésia, noticia esta terça-feira o jornal Le Figaro.

Segundo o jornal francês, a operação, que decorreu sexta-feira e sábado na região de Paris e em Portugal, pôs a descoberto uma rede de transporte por carrinhas de imigrantes que, no prazo de um ano, terá realizado 400 viagens que permitiram a entrada de cerca de mil imigrantes ilegais na Europa.

A investigação, liderada pelo Departamento Central para a Repressão da Imigração Ilegal e Emprego de Estrangeiros sem autorização (Ocriest, na sigla em francês), visou uma dezena de organizadores e passadores em França e Portugal.

A operação da polícia francesa começou em julho quando várias viaturas conduzidas por paquistaneses com documentos obtidos em Portugal foram intercetadas junto à fronteira de Hendaia com 35 imigrantes ilegais a bordo.

A polícia registou a passagem de cinco transportes semelhantes entre junho e agosto de 2012.

Ainda segundo o Le Figaro, na sexta-feira foram detidos em Lisboa seis alegados membros desta rede, que cobraria a cada clandestino 300 euros por uma viagem de Lisboa para Paris, 350 euros para a Bélgica ou 800 euros para Itália.

Caso o destino fosse o Reino Unido, o valor poderia chegar aos 1.500 euros.

A investigação policial conseguiu identificar o que apelidou de «um pequeno exército de motoristas», bem como dois «cabecilhas» da rede: um instalado na região de Lisboa, de onde partiam os candidatos à imigração, e outro em Saint-Denis, região de Paris, onde era organizada a receção e o alojamento dos clandestinos em França.