Os pais de deficientes mentais adultos confessam viver atormentados com o dia em que deixarão de poder ajudar os filhos, porque sabem que não existem lares suficientes no país para acolher todos os que precisam de cuidados especiais e permanentes.

Para responder a esta necessidade, um grupo de pais que se via a envelhecer e não encontrava respostas para os filhos uniu-se e formou, em 1994, a CEDEMA ¿ Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Mentais Adultos com o objetivo de criar um lar.

Dez anos depois, o sonho concretizou-se e no dia 22 de abril a associação vai inaugurar um lar em Odivelas, com capacidade para 24 utentes, que já está esgotada, disse à Lusa a presidente da associação.

«Infelizmente só estamos a responder a 10% das inscrições que temos», lamentou Maria Antónia Machado, comentando que «os pedidos são muitos» e há «muito poucas respostas».

A responsável desabafou que lhe faz «muita confusão» quando aparecem na associação «pais desesperados com filhos que saíram da escolaridade obrigatória, com paralisia cerebral e outras patologias, e não têm nenhuma resposta para eles».