«Mandando toda a gente dar uma curva, Santos Pereira chumbou um velho contrato de Portas, dias antes de ser afastado. A empresa italiana que fornece os torpedos dos submarinos investiu zero euros em Portugal, e tinha-se comprometido a transferir 46 milhões. Mais um brilhante negócio do almirante do CDS, sempre despido de qualquer interesse.»