O bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, acusa o Governo de esconder a realidade sobre a situação da saúde em Portugal e vai avaliar e divulgar, em 2014, o estado do setor.

O bastonário quer começar, já em fevereiro, pelo distrito de Bragança, como disse à Lusa. José Manuel Silva, candidato único ao cargo de presidente, foi reeleito nas eleições de quinta-feira bastonário da Ordem dos Médicos, com 91,32 por cento dos votos, segundo os resultados do escrutínio divulgados esta sexta-feira.

Com apenas 21,33 por cento de votantes (9608 votos de 45040 inscritos) a única candidatura obteve 8774 votos e registaram-se ainda 639 votos brancos e 194 votos nulos.

Em declarações à Lusa, o bastonário salientou o número de votos com que foi eleito, que demonstra «o reconhecimento dos colegas» e o motiva para um segundo mandato, «como uma forma de ser e de estar semelhante à do primeiro».

Mas considerou «absolutamente essencial» fazer uma avaliação do estado da Saúde, tanto mais que o Ministério proibiu, por despacho, a publicação de estatísticas locais para esconder a situação do país, acusou.

«O Serviço Nacional de Saúde está a perder qualidade, como prova o aumento nas estatísticas da mortalidade», disse José Manuel Silva, acrescentando que, numa visita recente ao hospital de Aveiro, se deparou com 39 doentes internados em macas durante três dias, o que «traduz uma profunda desumanização dos cuidados de saúde».

Taxas de 200 por cento de ocupação de camas traduzem falta de qualidade na assistência aos doentes e riscos de infeção, avisou o responsável.

Por isso o bastonário irá visitar todo o continente e ilhas para «fazer avaliação do estado real da saúde», elaborando um relatório em casa visita que será entregue ao Governo e divulgado publicamente.

Nos próximos três anos o bastonário que suscitar também um debate sobre o financiamento e contratualização na Saúde e outro sobre «a proletarização da medicina e consequências negativas para profissionais e doentes, condicionando a acessibilidade aos cuidados de saúde dos doentes mais desfavorecidos», disse também.

José Manuel Silva quer debater com o Governo a acessibilidade dos doentes aos cuidados de saúde com qualidade e ver aprovados os estatutos da Ordem dos Médicos, disse também à Lusa.