Um homem armado entrou na noite deste sábado, depois das 22:00, num restaurante do Pinhal Novo, concelho de Palmela, e baleou um militar da GNR. Já no exterior do restaurante provocou uma explosão e feriu mais três pessoas: um militar e dois civis. O suspeito, que não é português, está ainda barricado no estabelecimento com o militar ferido.

O tenente-coronel Jorge Goulão explicou no local, à TVI, que um homem de nacionalidade estrangeira começou com um «comportamento estranho e alterado» no interior do estabelecimento e de imediato a GNR foi chamada ao local.

Um dos militares ao chegar ao restaurante foi baleado e permanece ainda dentro do restaurante, sem que se saiba qual o seu estado de saúde.

Depois dos tiros que feriram o guarda, os militares conseguiram retirar os clientes do restaurante, mas o suspeito deflagrou então um engenho explosivo no exterior ferindo mais um militar e dois civis. Os três feridos são ligeiros e foram transportados para o hospital.

Os primeiros relatos apontavam para que o engenho explosivo em causa fosse uma granada, mas a GNR ainda não confirma esta informação.

No ponto da situação feito aos jornalistas, o oficial da GNR adiantou que não há mais reféns no interior do restaurante, mas que se desconhece ainda o estado de saúde do GNR baleado. O tenente-coronel esclareceu ainda que decorrem já negociações por telefone com o barricado, que já está identificado, mas até ao momento não se conhecem as motivações para o incidente.

A explosão ocorreu no restaurante «O Refúgio», que cerca da meia-noite estava isolado por um perímetro estabelecido pelas autoridades. Centenas de pessoas observavam o desenvolvimento da situação junto à zona delimitada em torno do restaurante, numa área residencial. Com o decorrer das horas, muitos populares acabaram por ir desmobilizando.

No local está ainda um forte dispositivo policial, incluindo elementos do grupo de operações especiais da GNR.

Várias ambulâncias, veículos do Instituto Nacional de Emergência Médica e bombeiros das corporações de Pinhal Novo, Moita, Montijo e Setúbal também acorreram ao local.

Antes, a GNR admitiu que se tratava de «uma situação muito grave» e fonte dos bombeiros adiantou ao tvi24.pt que o incidente tinha causado cinco feridos, quatro militares da GNR e um civil.

Última atualização às 2:37