A consciência de uma cidadania europeia tem ainda «uma distância muito grande» a percorrer entre os portugueses, segundo a coordenadora de um estudo apresentado hoje em Coimbra.

Por iniciativa do Centro de Informação Europeia Jacques Delors (CIEJD), o estudo foi desenvolvido por uma equipa multidisciplinar da Universidade de Coimbra, coordenada por Ana Cristina Almeida, da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação.

«Para se ser cidadão europeu, em Portugal, ainda vai uma distância muito grande», disse Ana Cristina Almeida aos jornalistas, à margem de uma da apresentação dos resultados do projeto «Ser Cidadã(o) da Europa em Portugal».

A docente universitária admitiu que, segundo as conclusões do estudo, a questão da cidadania europeia «ainda não é uma prioridade educativa» nas escolas portuguesas.

Na sua opinião, a criação de uma disciplina sobre a Europa e a União Europeia ajudaria a alterar esta situação, melhorando entre os jovens «o conhecimentos dos direitos, cultura e valores» inerentes à condição de cidadão europeu.

O mesmo objetivo também poderia ser conseguido através de uma abordagem da matéria transversal a diferentes disciplinas, disse Ana Cristina Almeida.

«A própria cultura de escola poderá ser, ou não, comprometedora deste tipo de ações» de promoção de uma identidade e uma cidadania europeias, afirmou aos jornalistas.

Iniciado no primeiro trimestre deste ano, o estudo abrangeu cerca de um milhar de alunos de escolas secundárias e profissionais do Continente e regiões autónomas dos Açores e Madeira.

Os resultaram foram apresentados hoje, num seminário realizado na Faculdade de Psicologia de Coimbra, subordinado ao tema «Cidadania europeia: do conceito à ação».

Segundo os investigadores, o seminário visou refletir acerca de como «delegar nos cidadãos, designadamente nos jovens, o poder de problematizar e equacionar o desenvolvimento e promoção de recursos e do património (nas múltiplas dimensões, natural, cultural, histórica, económica, lúdica ou sustentável), implicando-os na tomada de decisões».

O projeto «Ser Cidadã(o) da Europa em Portugal» foi promovido pelo CIEJD, organismo intermediário na parceria de gestão estabelecida entre o Governo português e a Comissão Europeia, através da sua representação em Portugal, escreve a Lusa.