Centenas de estudantes do ensino superior manifestaram-se hoje ao final da tarde na Covilhã, numa ação de protesto inserida na iniciativa nacional «Quintas-Feiras Negras no Ensino Superior».

Durante a manifestação, o presidente da Associação Académica da Universidade da Beira Interior (AAUBI), Pedro Bernardo, defendeu à Lusa a necessidade de «revisão do regulamento de atribuição de bolsas como forma de evitar o cada vez mais crescente abandono escolar registado nas universidades».

Com o objetivo de alertar a sociedade civil para os problemas do ensino superior, os alunos concentraram-se junto ao polo principal da UBI, percorrendo depois a pé a distância até à Câmara Municipal da Covilhã.

O presidente da AAUBI procedeu aí à leitura do manifesto intitulado «Por um Ensino Superior Melhor», documento que apresenta 21 propostas de ação.

«Consideramos que o regulamento tem vários aspetos que têm que ser revistos. Nenhum estudante deve ver o seu direito à bolsa negado por uma dívida contributiva ou tributária de um outro elemento do agregado familiar», referiu Pedro Bernardo.

O representante dos estudantes da UBI afirmou ainda que as questões do «aproveitamento escolar» e dos «rendimentos contabilizados» para a atribuição de bolsas também têm de ser alteradas, já que, segundo afirma, a primeira está a ser «contabilizado duplamente» e a segunda não corresponde «ao que as pessoas recebem de facto e depois de todos os cortes aplicados».

De acordo com o manifesto, o «custo de vida de cada região» também deve ser tido em conta no cálculo da bolsa e os motivos para o indeferimento da bolsa «também devem ser expostos de forma mais clara».

Além disso, os estudantes querem ainda que o Estado pague «juros de mora» sempre que haja atrasos no pagamento das bolsas.

A internacionalização e apoio a estudantes Erasmus, a reorganização da rede oferta de ensino superior, os valores das propinas, o financiamento do ensino superior e a credibilização do ensino universitário são outras das temáticas e respetivas propostas apresentadas do documento.

No final da manifestação, os alunos descontentes entoaram, em conjunto com o Grupo de Fados da UBI, o cântico «Trova do Vento que Passa».