João Mouro, um dos detidos na manifestação em frente do parlamento, por ocasião da greve geral de 14 de novembro de 2012, foi hoje absolvido dos crimes de resistência e coação sobre funcionário.

O advogado do manifestante detido, Garcia Pereira, disse à agência Lusa que o 2.º Juízo - 3.ª Secção do Tribunal de Pequena Instância Criminal de Lisboa «não deu como provados os factos constantes da acusação do Ministério Público».

João Mouro foi um dos nove detidos na manifestação em frente à escadaria da Assembleia da República, que terminou com uma carga policial.