O Tribunal de Contas (TdC) condenou o presidente da junta de freguesia de Vilarinhos dos Freires, no Peso da Régua, a uma multa de 3.119 euros por não ter apresentado as contas de 2010.

A sentença foi publicada hoje em Diário da República (DR), mas data de 07 de junho.

O presidente da junta de freguesia de Vilarinho dos Freires, no concelho de Peso da Régua, Manuel Figueiredo Moreira, foi indiciado pela «falta injustificada de remessa» das contas de 2010 e «falta injustificada de remessa de documentos solicitados pelo tribunal».

Pela prática das infrações, o autarca foi condenado ao pagamento de duas multas no valor de 1.428 euros cada, além de 343 euros relativos a emolumentos do processo, num total de 3.119 euros.

O TdC refere que a freguesia deveria ter apresentado as contas de 2010 até 30 de abril de 2011, sendo que «tal diligência é responsabilidade pessoal do presidente da junta de freguesia». E, realça, o autarca foi notificado a remeter os documentos de prestação de contas em falta, sob pena de multa não o fazendo.

Até à presente data, avança o TdC, os documentos referentes à gerência de 2010 ainda não foram remetidos ao Tribunal.

O responsável, segundo o Tribunal, não apresentou «qualquer» justificação para a não entrega dos documentos, manifestando uma «completa indiferença», «incúria» e «desleixo».

O Tribunal considerou que o autarca agiu «de forma livre e consciente», sabendo serem as suas «condutas omissivas proibidas por lei».

Contudo, não dá como provado que tivesse agido com a «intenção deliberada de não remeter a documentação de prestação de contas ao Tribunal».

Na sentença, o TdC avisa que esta «responsabilidade financeira é pessoal, não podendo por isso serem usados dinheiros públicos no pagamento das condenações, consubstanciando tal conduta infração de natureza financeira e criminal».

O TdC lembra ainda que, «caso continue a verificar-se a falta injustificada dos documentos de prestação de contas, após trânsito, será a falta comunicada ao Ministério Público do Tribunal Administrativo competente, com vista à propositura da ação de dissolução do órgão autárquico».