Os três funcionários dos Serviços de Fiscalização da Câmara de Almada detidos esta semana pela Polícia Judiciária (PJ) de Setúbal, por suspeita de corrupção passiva, estão suspensos da atividade profissional e proibidos de efetuar contactos.

Os três detidos foram presentes ao Tribunal de Almada, que decidiu suspendê-los de funções, disse à agência Lusa fonte da PJ.

«O juiz decidiu a suspensão dos três da atividade profissional, a proibição de efetuarem contactos e apresentações periódicas às autoridades», acrescentou.

A PJ deteve dois homens e uma mulher, com idades entre os 49 e os 50 anos, que alegadamente solicitavam determinadas «quantias pecuniárias» para resolverem alguns processos.

«Através do incumprimento de procedimentos administrativos internos, logravam retardar a tramitação de requerimentos de pedidos de licenciamentos diversos, após o que contactavam os requerentes e lhes solicitavam quantias pecuniárias para a resolução dos mesmos», refere um comunicado da PJ de Setúbal.

A vereadora dos serviços de Fiscalização Municipal da Câmara de Almada, Amélia Pardal, confirmou as buscas realizadas na terça-feira pela Polícia Judiciária de Setúbal nos serviços de fiscalização municipal e a detenção dos três suspeitos.

A vereadora acrescentou que o município vai aguardar pelo desenrolar do processo nos tribunais, mas escusou-se a revelar se a autarquia já tinha suspeitas de eventuais irregularidades praticadas pelos três funcionários.