Casa Pia: adiamento justificado pela «complexidade» do caso

Conselho Superior da Magistratura referiu que «a fase essencial do processo é a elaboração do acórdão»

Por: Redação / VG    |   28 de Julho de 2010 às 17:59
O Conselho Superior da Magistratura (CSM) informou esta quarta-feira que o novo adiamento da leitura do acórdão do processo Casa Pia, para 3 de Setembro, é justificado pela «complexidade» do caso, que envolve 826 crimes e 32 vítimas.

Em comunicado citado pela Lusa, o CSM indica que o despacho do colectivo de juízes aponta como razões do adiamento «a complexidade do processo» e acrescenta que «a fase essencial do processo é a elaboração do acórdão».

«Tendo em conta o número de crimes acusados, as pessoas identificadas como vítimas, as 800 pessoas que foram ouvidas, o facto de o processo contar já mais de 66 mil páginas e ter cerca de 570 apensos (alguns deles com mais de 10 volumes) (...) torna-se necessário mais algum tempo real, para a escrita deste acórdão», indica o comunicado.

É ainda referido pelo CSM que o despacho de pronúncia tem cerca de 200 páginas e as contestações cerca de 1300.

O documento lembra ainda que «o processo contém milhares de documentos, registos e elementos de vária natureza que têm de ser também resumidos na sua análise final, e relativamente aos crimes de natureza sexual, terão de ser julgados à luz da legislação mais recente, dado que houve alterações na lei relativamente a estes crimes (cinco regimes legais sucessivos)».

A leitura do acórdão do processo Casa Pia já tinha sido adiada de 9 de Julho, a data inicial, para 5 de Agosto, sendo hoje novamente adiada, desta vez para 3 de Setembro.
PUB
EM BAIXO: Carlos Cruz na TVI
Carlos Cruz na TVI
COMENTÁRIOS

PUB
BES: José Guilherme diz que perdeu 25 milhões

José Guilherme respondeu às questões da comissão de inquérito depois de ter recusado depor no parlamento na comissão de inquérito ao BES, em fevereiro. O empresário que deu uma «prenda» de 14 milhões a Salgado recusou falar sobre o tema, mas respondeu às 30 perguntas elaboradas pelos grupos parlamentares. Na carta, José Guilherme esclarece que as perdas resultam do investimento em «acções, obrigações e unidades de participação de diversas entidades do GES e do BES»