As autópsias das três mulheres encontradas mortas na sexta-feira em Tires, Cascais, realizam-se na terça-feira, disse à agência Lusa o assessor do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF).

A ordem do Ministério Público para a realização das autópsias chegou hoje de manhã à delegação do Sul do Instituto, em Lisboa, e dada a complexidade das mesmas, que envolverão a utilização de recursos radiológicos, só se realizarão na terça-feira, acrescentou Mário Martins.

Os corpos das três mulheres, alegadamente de três brasileiras desaparecidas desde fevereiro, foram encontrados na sexta-feira à tarde num poço de um hotel para animais em Tires, Cascais e chegaram à delegação de Lisboa do INMLCF depois das 18:00 de sexta-feira.

Esta segunda-feira de manhã, os peritos do Instituto estiveram a avaliar o estado dos cadáveres para determinar quais os peritos e que tipo de exames era necessário fazer para os identificar, indicou.

Na altura da descoberta dos corpos, o comandante dos Bombeiros da Parede, Pedro Araújo, disse à Lusa tratar-se dos corpos de três jovens brasileiras – as irmãs Michelle e Lidiana Santana, de 28 e 16 anos, respetivamente, e uma amiga destas, Thayane Mendes, de 21 – desaparecidas desde fevereiro.

Dinai Alves Gomes, um jovem brasileiro com quem Michelle mantinha uma relação conjugal, e que chegou a trabalhar no hotel de animais onde os corpos das jovens foram encontrados, é o principal suspeito da morte das três jovens.

Em abril último, as equipas de investigação estiveram na zona do hotel para animais Monte dos Vendavais a procurar as jovens, uma vez que o principal suspeito do crime, o namorado da rapariga grávida, trabalhava na zona.

Dinai Gomes fugiu, entretanto, para o Brasil onde, segundo a imprensa, estará sob vigilância da Polícia Federal em Novo Cruzeiro, no estado de Minas Gerais.