O homem que admitiu na semana passada ter matado um vizinho a tiro há dois anos, em Messines (Silves), enquanto era ouvido pelas autoridades judiciais como testemunha, vai aguardar julgamento em prisão preventiva, segundo revelou esta segunda-feira o Ministério Público (MP).

O homem, de nacionalidade belga, estava a ser ouvido como testemunha na secção de Silves do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Faro – num processo não especificado - quando admitiu ter matado um seu vizinho, de 81 anos de idade, com uma arma de fogo, em dezembro de 2016.

Em comunicado, o MP adianta que o suspeito terá disparado contra a vítima na sequência de "conflitos de vizinhança", voltando logo depois a sua casa e queimando as roupas que vestia para, no dia seguinte, voltar a casa da vítima e desarrumá-la "de forma a simular um assalto".

Os factos remontam a dezembro de 2016 e ocorreram na zona de São Bartolomeu de Messines, no concelho de Silves (distrito de Faro), onde o arguido, de 73 anos, e a vítima residiam.

O homem foi detido na quarta-feira passada e depois de ter sido presente em Silves a primeiro interrogatório judicial, na sexta-feira, foi-lhe aplicada “a medida de coação de prisão preventiva”.

O inquérito é dirigido pelo MP de Silves do DIAP de Faro, com a coadjuvação da Polícia Judiciária.

A agência Lusa tentou saber junto do MP em que processo o homem prestou declarações como testemunha, o que ainda não foi possível.