O Tribunal Judicial de Leiria condenou hoje a 19 anos de prisão um homem que matou uma mulher na Marinha Grande com cerca de 300 golpes de navalha.

Na leitura do acórdão, o juiz presidente considerou que o homem, que estava acusado de homicídio qualificado, "manifestou o maior desprezo pela vida da vítima".

"Foi cobarde e insensível aos pedidos de ajuda da vítima, que foi agonizando".


Segundo o juiz, o móbil do crime terá sido o facto de a vítima se ter apropriado da chave do veículo e de 80 euros do arguido, que este "poderia ter reavido por se encontrar numa posição de superioridade (porque estava em cima da vítima), mas não o fez".

"Por todas estas razões há censurabilidade e perversidade do arguido".


O magistrado, que considerou que ficaram provados quase todos os factos da acusação, entendeu ainda que, "ao desferir os golpes de navalha", o arguido "fê-lo com intenção de tirar a vida à vítima e de forma voluntária".

No final, o juiz dirigiu-se ao arguido, que no decorrer do julgamento disse não se lembrar do momento em que deu as facadas, referindo que "esse foi um momento muito longo".

"O senhor não se lembra, mas de certeza que soube muito bem o que fez. Poderia não tê-lo feito. Deve sentir o peso e o mal que fez a esta mulher jovem, a esta menina [filha da vítima] e à avó [mãe da vítima]. Espero que o senhor se regenere, pense na sua vida e peça desculpa a estas pessoas".


O arguido foi ainda condenado a pagar cerca de 110 mil euros à família da vítima.

Segundo o despacho de acusação, o arguido, empregado fabril de 41 anos, contactou a 01 de março a vítima com a qual acordou ter relações sexuais mediante a entrega de 20 euros.

Cerca das 02:30 do dia seguinte, após os contactos sexuais, a vítima "pediu mais dinheiro" ao arguido, que recusou, pelo que "iniciaram uma discussão" na sequência da qual a mulher empunhou uma navalha, retirou a carteira, com documentos e dinheiro, ao arguido e saiu do veículo.

O MP adianta que o arguido seguiu atrás da mulher e, depois de retirar a navalha, desferiu-lhe mais de 300 golpes que a atingiram na cabeça e na face, no pescoço e nas mãos.