O Tribunal Judicial de Braga condenou, esta segunda-feira, a três anos e três meses de prisão, com pena suspensa, um homem que em março de 2012 alvejou dois jovens, após distúrbios e atos de vandalismo no snack-bar do filho, naquela cidade.

O arguido, de 62 anos, era acusado pelo Ministério Público de dois crimes de homicídio na forma tentada, mas o tribunal deu como provado que ele não teve intenção de matar e acabou por o condenar por dois crimes de ofensa à integridade física qualificada.

Foi ainda condenado por um crime de detenção de arma proibida.

Vai também ter de pagar 22.200 euros a um dos jovens baleados e 7.500 ao outro.

Os factos remontam à madrugada de 17 de março de 2012, quando quatro jovens provocaram desacatos no interior do snack-bar, após alegadamente não terem sido servidos.

O dono não os atendeu porque numa ocasião anterior os jovens já teriam estado no estabelecimento e ido embora sem pagar a conta da despesa efetuada.

No exterior, um dos jovens arremessou uma garrafa de cerveja contra a montra do bar, que ficou estilhaçada.

O pai do dono do bar pegou numa pistola e disparou em direção aos jovens, atingindo dois.

Um dos atingidos, que fazia parte do grupo envolvido nos desacatos, ficou com uma bala alojada na região abdominal, bala essa que ali se manterá para o resto da sua vida, face aos riscos inerentes à sua extração.

No entanto, os tiros também atingiram um outro jovem que, embora tivesse estado no interior do bar, não tinha nada a ver com o assunto.

Este jovem, que, aliás, era cliente habitual do bar e até teria tentado acalmar os ânimos, foi o que mais sofreu, tendo estado internado no hospital durante vários meses.