O Tribunal de Aveiro decretou hoje a prisão preventiva para um homem, de 54 anos, suspeito de ter baleado mortalmente um toxicodependente e que andava foragido há mais de seis anos.

O caso está relacionado com a morte de um toxicodependente que foi assassinado com um tiro de caçadeira, na tarde de 23 de maio de 2010, numa zona de pinhal situada no concelho de Albergaria-a-Velha.

A Polícia Judiciária conseguiu apurar que o alegado autor dos disparos conseguiu fugir do país, logo após o crime, usando um cartão de cidadão e um passaporte obtidos com uma identidade de terceira pessoa.

O suspeito acabaria por ser localizado pelas autoridades em Espanha e foi extraditado para Portugal, tendo sido presente hoje ao juiz responsável pelo processo para aplicação das medidas de coação.

O detido foi conduzido ao Estabelecimento prisional de Aveiro onde vai aguardar o início do julgamento pelos crimes de homicídio qualificado, detenção de arma proibida e falsificação de documentos.

A mulher e a nora do alegado homicida já tinham sido julgadas pelo homicídio em 2014, estando atualmente a cumprir as penas de seis e 12 anos de prisão a que foram condenadas, respetivamente.

O crime ocorreu na tarde de 23 de maio de 2010, numa zona de pinhal situado nas imediações de um acampamento cigano onde o presumível autor dos disparos vivia com a família.

Segundo a acusação do Ministério Público, o arguido alvejou mortalmente o jovem que se tinha ali deslocado juntamente com um amigo para consumir drogas, vingando, assim, um pretenso furto de heroína de que teria sido vítima poucas semanas antes.

O jovem foi assistido pelo Instituto Nacional de Emergência Médica depois de o amigo que o acompanhava ter pedido socorro, mas acabaria por morrer vítima de múltiplas lesões que atingiram os órgãos vitais.

O arguido cometeu o crime quando ainda estava em liberdade condicional, menos de um ano depois de ter saído da cadeia onde estava a cumprir uma pena de 20 anos por um homicídio praticado em 2000.