O Tribunal de Aveiro absolveu esta quinta-feira um homem, de 47 anos, que estava acusado de ter tentado matar a ex-mulher e de fazer explodir a casa onde o casal residia, em Vagos.

O caso ocorreu ao final da tarde de 10 de setembro de 2011, quando a esposa, de 40 anos, foi atingida por uma explosão de gás ao ligar o forno, ficando com queimaduras de segundo e terceiro grau no corpo, motivando 17 dias de internamento por intervenções cirúrgicas.

O tribunal não deu como provado que o arguido, atualmente divorciado da ofendida, tenha apagado a chama do forno e deixado ficar o gás aberto, tal como constava na acusação do Ministério Público (MP).

Apesar de haver factos que «apontam no sentido da culpabilidade» do arguido, o coletivo de juízes admite que ficou com dúvidas sobre quem abriu a torneira do gás natural.

«É certo que só estavam em casa o senhor e a mulher, mas o tribunal não ficou convencido de que foi o senhor que praticou estes factos, de forma intencional, ou a sua mulher, inconscientemente», disse o juiz presidente.

O arguido acabou por ser absolvido dos crimes de homicídio na forma tentada, incêndio ou explosão e omissão de auxílio, de que estava acusado, bem como dos pedidos de indemnização cível deduzidos pela ofendida e pelo Hospital.

Durante o julgamento, o homem negou ter planeado matar a ex-mulher e ter impedido os Bombeiros de entrar na habitação, afirmando não ter qualquer explicação para o que aconteceu.