O Tribunal São João Novo, no Porto, absolveu um jovem ator do crime de tráfico de droga por considerar o seu depoimento “coerente e plausível”.

Durante a leitura da decisão judicial, a presidente do coletivo de juízes referiu que, aliado às suas declarações, pesou o facto de o suspeito não ter antecedentes criminais.

O arguido de 21 anos estava em prisão preventiva na cadeia de Leiria. Fora-lhe aplicada a medida de coação mais gravosa, por ter sido acusado de um crime de tráfico de droga, em 2016.

O jovem recebera uma encomenda do Brasil pelo correio com um par de havaianas, um pacote de óleo de amêndoas doces e, embrulhados em papel químico, cinco frascos que continham cocaína líquida, num total de 1.325 gramas.

Os funcionários do Centro de Distribuição Postal de Lisboa acharam a embalagem suspeita. Contactaram a Polícia Judiciária que, já no Porto, apanhou o arguido em flagrante delito, quando levantava a encomenda.

Durante as audiências de julgamento, o suspeito negou sempre que a encomenda fosse sua. Argumentou que fora feita por um primo - que terá cadastro pela prática deste tipo de crime e se mantém em parte incerta - e enviada em seu nome.