"Isto não é digno de pessoas. Não têm rigorosamente valores morais. Matar como mataram? Não se percebe porque é que tiveram de usar aquela violência. A partir de um determinado momento, já não é querer matar, é ter gosto em espancar as pessoas", frisou o juiz que presidia o coletivo, João Ferreira, dirigindo-se a Pedro e Francisco.






"Quem mata como vocês mataram, manifestamente não era 25 anos que apanhavam, se este limite não existisse", sublinhou.